JESUS - NÃO DESANIMEM COM A VIOLÊNCIA DIVULGADA PELOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO


NÃO DESANIMEM COM A VIOLÊNCIA DIVULGADA 
PELOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
Jesus
Canal: John Smallman
07.08.2013


Desejo tranquilizá-lo no amor infinito de Deus por você e por toda a humanidade e que essa é a coisa mais real que pode fazer e se concentrar. 

Noticias sobre as atividades horrendas realizadas por pessoas de muitas diferentes crenças religiosas "em nome de Deus" ao longo dos tempos são chocantes. Lembre-se de que o ambiente físico que experimentamos como seres humanos encarnados é irreal, imaginário e ilusório e embora o tratamento horrendo de alguns seres humanos por outros seres humanos por qualquer motivo seja monstruoso, horrível e injusto, na realidade não aconteceram.

É difícil de entender porque você construiu uma ilusão tão convincente, devido ao fato de seus corpos serem capazes de viverem intensas experiências de dor - física, emocional e psicológica - quando abusados ou torturados.

Além disso, aqueles que infligem dor aos outros, estão infligindo a si próprios, sofrendo os mais terríveis temores e crenças, marcantes em terror - terror que se recusam a reconhecer a si mesmos e, portanto, permanecem enterrados sob um manto de negação.

Estar com medo é estar encurralado contra uma parede, sem esperança de escapar e nenhum lugar para ir. Existe uma expressão para isso: "Como estar entre uma rocha e um lugar duro." Então você ataca! Realmente parece que não tem opção, pois já presenciou outros feridos e até mesmo mortos, quando escolheram não se defender de um forte ataque.

O Medo desumaniza e vem fazendo isso por eras.
Quando se está desumanizado não se pode reconhecer o Amor porque Ele apavora.
É a antítese do medo.

Mas nem por isso todos foram desumanizados - apenas o suficiente para causar danos consideráveis ​​e manter o medo vivo em quase todo o mundo - a humanidade está atualmente num processo de reconhecimento de que os horrores perpetrados a si mesma ao longo das eras por seu próprio medo (todos em si é um) é devido à ausência aparente ou real da negação do AMOR durante estas atividades. Atividades não poderiam ser celebradas por qualquer pessoa que estivesse consciente, despertada e, portanto, aberta ao amor!

À medida que abraça o amor que constantemente o envolve, o seu medo encolhe, se dissolve e se dissipa e, em seguida, torna-se possível ver e entender o sofrimento intenso não reconhecido, enterrado nas profundezas desses autores. Essa compreensão permite que sinta compaixão, oferecida em vez de julgamento.

Todos nos reinos espirituais dizem e enfatizaram que o amor é a resposta para cada questão, problema, desacordo, ou conflito. A humanidade está finalmente aprendendo essa lição e coloca o que está aprendendo na prática. Nas últimas décadas, apesar de seu sofrimento, muitos estão perdoando os autores de crimes de ódio. Ocasionalmente, a mídia faz intensas reportagens, porem a maioria passa despercebida, exceto para aqueles diretamente envolvidos.

Este perdão ativo e intencional é uma indicação das enormes mudanças de atitude que estão ocorrendo em todo o planeta. Todo mundo segurando a luz no alto, com a intenção de viver com amor e colocar essa intenção em prática faz uma grande diferença, intensificando o campo de amor que o envolve.

Não fique desanimado ou desencorajado pela violência e sofrimento relatados nos meios de comunicação. Em vez disso, lembre-se que o tempo de sua vida ser dirigida pelo medo está no fim. Envie amor e compaixão para alguém ou alguma situação que torne consciente do sofrimento, por parte das vítimas ou agressores, não importa quem tenha causado tenha experimentado. 

É eficaz, faz diferença e altera os campos de energia das pessoas envolvidas, reduzindo o medo e a tensão que estão experimentando, habilitando-os a recuar de suas reações automáticas instantâneas e reavaliar a situação com menos fúria.

No início de cada dia, fazer uma intenção consciente para viver com amor e ser um canal aberto, através do qual o Amor possa fluir constantemente é um aspecto essencial do caminho de vida escolhido antes de encarnar, fortalecendo ainda mais o fluxo de refazer essa intenção, sempre que pensar nisso durante todo o dia.

Seu caminho para casa torna-se inconfundível quando faz uma escolha consciente de estar ciente disso. No entanto, frequentemente a ansiedade que experimenta na ilusão o leva a se envolver com o medo e a fazer uma escolha baseada na falta de amor, que o conduz a um caminho diverso onde repetirá lições que pensou terem sido aprendidas deixadas para trás.

Poderá ser chocante e deprimente, mas não o fim do mundo, nem uma catástrofe e muito menos um desastre irremediável. Precisa reconhecer a possibilidade de que cometeu um erro... não mais do que isso. E quando perguntado, receberá uma abundância de ajuda para recuperar seu caminho.

Não tenha medo de morrer em pecado! O pecado é ilusão, é irreal, embora a sua crença nele possa causar preocupação incalculável e intensificar os sentimentos de indignidade no qual tenha ser agarrado. 

Sentimentos de indignidade muitas vezes levam a escolhas insensatas na tomada de decisões em suas vidas diárias. Quase todas as culturas têm sido bem sucedidas na criação de um sentimento de culpa ou pecado em seus membros a partir de uma idade muito precoce e alguns têm mais dificuldade que outros em acatar seu autojulgamento.

Quando estiver ciente de abrigar ou experimentar tais sentimentos, diga-se muito firmemente, mesmo à força, que são absolutamente falsos. Isso não significa que não tenha cometido erros ou outros maltratos, apenas significa que Deus não vai julgá-lo indigno ou que será punido.

Se não houve amor, tente, na medida do possível, resolver com palavras ou ações sem amor ou se não puder enviar uma intenção de amor para a(s) pessoa(s), então perdoe a si mesmo. Perdoar verdadeiramente remove sentimentos de culpa, autocensura ou indignidade e lhe permite, mais uma vez, seguir em frente com amor. Pode precisar fazer a intenção de perdoar-se mais de uma vez, pois talvez sua culpa esteja arraigada por muitas vidas. É como uma dor física ou tensão que paira exercida sobre si mesmo e que exige que a trate suavemente, até que o dano físico fique completamente curado.

Perdoar-se é tratar-se com consideração, gentileza e amoroso respeito.

Dê tempo suficiente para se curar, porque o perdão é um processo de libertação de velhas e ultrapassadas crenças e hábitos que o envolveram e podem muitas vezes parecer ter exigido que se envolvesse em duramente em atitude de autojulgamento. Quando deixar de se julgar duramente, poderá começar a perdoar os outros. Se estiver tendo problemas para perdoar os outros, olhe para dentro de si, para descobrir o que encontra lá que é inaceitável para você e libere.

O amor é todo inclusivo. Se excluir alguém, maioria que certamente você se inclui, estará fazendo uma imitação, um simulacro de amor. Quando tiver dificuldade com a autoaceitação e com o desapego do autojulgamento, lembre-se que Deus o ama incondicionalmente em todos os momentos e se for esse o caso, como certamente é, não terá absolutamente nenhuma razão válida para não aceitar-se como é: filho perfeito de Deus.

Se ainda sentir dificuldade, lembre-se de ocasiões em que seus próprios filhos se comportaram mal e você carinhosamente os perdoou e, assim, abra a sua percepção de que Deus é infinitamente mais amoroso e indulgente do que vocês, como seres humanos possam ser, sempre!

Seu irmão amoroso,

Jesus


http://stelalecocq.blogspot.com/2013/08/jesus-nao-desanimem-com-violencia.html
http://johnsmallman2.wordpress.com/
Tradução: Candido Pedro Jorge 
Fonte: Sementes das Estrelas

Extraído de: http://stelalecoqc.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

CÍRCULO DE LUZ E AMOR DE MARIA - MENSAGEM RECEBIDA AOS 07.03.2017 POR JANE RIBEIRO

DEZESSEIS SINAIS DE QUE VOCÊ É UM CURADOR

O Livro do Conhecimento: As Chaves de Enoch®