A NATUREZA FUNDAMENTAL DA REALIDADE: CONSCIÊNCIA


A NATUREZA FUNDAMENTAL 
DA REALIDADE: CONSCIÊNCIA
Mensagem de Julie Redstone
29 de Julho de 2013.

Tão estranho quanto possa parecer para alguns, a natureza do que vemos ao nosso redor, não é mais do que uma projeção de nosso próprio processo de pensamento criativo – não o processo de nossas mentes conscientes, mas o processo de nosso sistema de crenças mais profundas.

A partir desta matriz energética, os pensamentos têm o poder de criar a substância da matéria e o que se manifesta externamente como eventos, coisas, situações e pessoas, na medida em que as suas vidas incidem sobre a nossa. Não criamos outras almas, pois a sua criação é de origem Divina, vindo do Criador de tudo. Mas criamos as maneiras com que as nossas vidas interagem com as deles, pois criamos os tipos de situações que serão repetitivas em nossas vidas.

A compreensão de que tudo é consciência, e que realmente não há substância para a matéria física – nem solidez, apesar da maneira com que ela parece aos nossos sentidos – é um grande despertar para a maioria, que passemos a maior parte de nossas vidas inundados com as impressões sensoriais da visão, da audição, do olfato, e em muitos casos, definindo o que vemos e experienciamos em termos das próprias propriedades físicas da matéria.

Para então, sermos convidados a aceitar uma nova compreensão que o que está “lá fora” não é realmente uma realidade necessária a todos – não sendo nem substancial, fixo e nem permanente – o que é, em vez disto, nos termos orientais, maia, ou seja, a realidade criada na consciência, produzida pela energia que cria a matéria – isto inverte tudo o que já sabemos sobre a realidade sensorial.

O mistério nisto é duplo. Por um lado, queremos saber como o pensamento cria a realidade, e por outro, queremos saber que parte nós desempenhamos nisto e que parte Deus desempenha.

Há questões importantes a fazer e tentar responder, pois uma compreensão do novo nível de capacitação que vem para a humanidade neste momento, exige que tenhamos uma maior responsabilidade ao respondermos a estas perguntas e pelo que fazemos com a nossa própria consciência. Isto requer que tenhamos alguma noção do potencial e do risco envolvido em nossas habilidades progressivamente em expansão.

Em relação à primeira questão, os pensamentos que geram a matéria o fazem como parte de uma matriz energética que é um caldeirão de motivos que são tanto individualizados como o ponto de consciência de cada pessoa, quanto coletivos, como a totalidade de sistemas de crenças de grupos, sociedades, nações e, finalmente, de todos os habitantes da Terra.

Os sistemas de crenças, no total, operam como forças geradoras dentro desta matriz energética, que detém dentro de si, motivos que surgem de diferentes fontes, em diferentes níveis de significância, na determinação da realidade. Por exemplo, a percepção do que está “lá fora’ como sólido é uma crença coletiva muito básica que esteve com a humanidade por um tempo muito longo.

Esta crença não pode ser contrariada pela crença diferente de qualquer indivíduo. É uma crença que irá nascer e criar na próxima criança humana, onde quer que ela nasça, a menos e até que algo venha em grande escala, que radicalmente altere esta percepção.

Por outro lado, a noção de que a vida é uma força para o bem é confiável, contra a idéia de que a vida é cheia de decepções, é uma crença individualizada – uma crença que é específica a pessoa, tempo e lugar, que não pode ser dita para afetar a todos, da mesma forma. Tal crença influencia intensamente as vidas individuais, independentemente do que os outros pensam ou sintam.

A matriz energética que contem todos os aspectos que contribuem para a consciência são todos mantidos dentro do campo áurico da Terra, que é o corpo de energia da Terra. Este campo, na verdade, está em um estado de criação perpétua das propriedades físicas da Terra, da sua atmosfera, de suas funções, etc.

O próprio campo é composto de elementos subatômicos que na compreensão da mecânica quântica, entram e saem da existência. Estes elementos vivem em uma “sopa” em potencial, disponíveis para se formarem em estruturas mais complexas, tais como átomos e moléculas, mas quando não envolvidos na ligação de partículas, estes podem felizmente voltar a não existência ou quase existência por um período de tempo.

O aspecto mecânico quântico da realidade, mais do que qualquer outra teoria até o momento, descreve a matriz energética que permite que a consciência produza a matéria através da atração da “sopa” em potencial das partículas que são necessárias para moldar a realidade que a consciência mantém.

Visto a partir desta perspectiva, quando a nossa consciência individual ou coletiva muda, então estas partículas de dança que entraram na existência, a fim de apoiar a realidade que está atualmente sendo experienciada, retornam à potencialidade novamente e outros que são mais ressonantes com o novo padrão vêm à tona.

Em termos da segunda questão em relação ao papel da humanidade e o papel de Deus em determinar a manifestação definitiva da realidade física que chamamos de Planeta Terra, a situação é ainda mais complexa. Pois aqui temos:

O relacionamento de um indivíduo com a Terra.

O relacionamento de uma sociedade com a Terra.

O relacionamento da natureza não humana com a Terra.

O relacionamento da humanidade, em conjunto, com a Terra.

A própria consciência da Terra, que é mais do que a soma das partes. Pois a Terra é um ser consciente, cuja totalidade inclui a vontade e a intencionalidade, bem como as qualidades coletivas da vida física que nela habita.

Finalmente, além do acima exposto, há a consciência de Deus, que é infinita, ainda que, para esta parte da realidade, é algumas vezes referido como o Grande Sol Central – o nome esotérico moderno para Deus, o Pai.

O Grande Sol Central determina e mantém a realidade dos planetas, das estrelas e galáxias em si mesmo. É o “Pai” do Universo, como o conhecemos, instrumental na sua criação, e Ele continua a manter a realidade física de tudo através de sua própria consciência e intencionalidade.

O Grande Sol Central e os corpos planetários que incluem as estrelas, os sóis, as luas e os planetas, existem em harmonia e não podem existir em conflito, desde que os corpos planetários são parte de si mesmos e estão infundidos com a consciência universal da Vida Maior, bem como com a sua própria consciência dentro da forma individualizada.

Por esta razão, todos os corpos planetários podem ser considerados como tendo um componente Divino muito forte, não importa como eles se manifestem fisicamente, pois todos eles são grandes Seres e cada um escolheu desempenhar uma parte no universo manifestado fisicamente.

Levando em consideração este quadro complexo, e observando novamente a versão menor da realidade que é o nosso Planeta Terra e os seus habitantes, há certos parâmetros da realidade que não podem ser mudados, tais como a atmosfera emocional que envolve a Terra.

Nós, seres humanos, hoje, temos muito a ver com a participação na revelação de uma nova e radiante Terra para nós mesmos e para os planetas e galáxias vizinhos. Ao nos movermos para as dimensões mais elevadas da luz que atualmente estão se infundindo na atmosfera planetária, podemos ajudar a mudar a natureza do corpo físico da própria Terra.

Toda a solução descrita até aqui em relação à criação da realidade, embora complexa, existe em uma harmonia de camada sobre camada da co-criação, exceto onde manipulada deliberadamente por elementos não harmônicos que desejam perturbar a paz e a harmonia do todo.

Estes elementos não harmônicos das trevas, também têm uma influência sobre a consciência que molda a realidade, e em tempos de grande mudança espiritual e física, a sua intenção de impedir que a luz se expanda, leva a um aumento da atividade ao redor do ponto de luz que está à beira de um novo nível de revelação.

Qual é a parte que cada um de nós está destinado a desempenhar neste drama cósmico? O importante momento em que estamos pede que nos mantenhamos responsáveis pela nossa própria consciência, os conteúdos que ela mantém e a energia que ela transmite.

Pois a nossa própria consciência irradia uma esfera de influência que é muito maior do que poderia parecer, afetando não somente aqueles em nosso ambiente imediato, mas também reverberando para influenciar outros dos quais não estamos conscientes.

Enquanto a luz se intensifica na Terra e dentro de nós, somos cada vez mais solicitados a afetar a esfera de influência que é nossa com os pensamentos que irão beneficiar o bem-estar de todos os seres e estamos sendo cada vez mais ajudados a entrar na nova vibração do Amor que tornará isto possível.

Que todos os seres reconheçam o seu poder de ajudar a criar uma nova realidade para a Terra, como um lugar de bondade, de gentileza e de amor e que eles deem ao próprio processo criativo toda a atenção, o cuidado e o zelo que a criação da nova vida assegura.

Abençoado seja este momento de transformação na Terra e de mudança em cada alma individual.


http://lightomega.org
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br


Extraído de: http://stelalecoqc.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

CÍRCULO DE LUZ E AMOR DE MARIA - MENSAGEM RECEBIDA AOS 07.03.2017 POR JANE RIBEIRO

DEZESSEIS SINAIS DE QUE VOCÊ É UM CURADOR

O Livro do Conhecimento: As Chaves de Enoch®