Criem com Compaixão

Uma Mensagem de Sai Baba
Canalizado por Linda Dillon
em 6 de fevereiro de 2010
Postado em 23 de fevereiro de 2010

Sai Baba nos pede para criarmos com compaixão. "E deste lugar de compaixão - não só de gratidão e Amor, mas também de compaixão profunda - criem. Pois, quando vocês criam para seus semelhantes, vocês criam para si mesmos. Então meu pedido para vocês, meus amigos, é para não ter somente compaixão, mas praticar compaixão. E que o façam em suas criações, em suas orações, em suas intenções e em suas ações. Não em uma delas. Em todas."

Saudações, Eu sou Sai Baba. Eu sou Baba. Eu lhes agradeço por tal introdução, pois eu realmente tenho preferência por esta cor de tangerina. Mas eu acolho todos os caminhos, todas as cores, todas as formas, todas as realidades e dimensões também, meus amigos.

Quero conversar com vocês. Quero conversar com o coração de cada um. Meu tempo neste plano está escasseando, e ainda há tanta coisa que eu tenho de ensinar a vocês. E ainda há tanta coisa que eu desejo transferir do meu ser para cada um de vocês, então continuarei lhes convidando para vocês virem e sentarem-se comigo. Não, vocês não precisam viajar até a minha casa na Índia, pois vocês podem sentar comigo nas suas casas e nos seus corações, pois eu viajo para muitos lugares. Só o que vocês precisam fazer é me chamar, pois eu sou bem conhecido pela bi-locação. Vocês tendem a esquecer disto, meus amigos. Eu quero continuar a conversa que vocês começaram durante sua última teleconferência, a conversa sobre compaixão. Pois se eu não deixar nada, só esta compreensão e esta qualidade profundamente incrustadas no seu ser, eu terei realizado muito.

Vocês perceberam que, conforme a Mídia tenta se afastar do pesadelo que vocês conhecem como o terremoto no Haiti, o reino da compaixão vai definhando? Mas é agora que a verdadeira jornada que exige uma profunda compaixão pelos seres humanos e por todos os seres realmente começa. Agora, eu só uso este exemplo do Haiti porque ele esteve tão em foco. Mas eu os lembro, meus amigos, como é frequente vocês me dizerem: "Baba, eu quero ir e estar com você e trabalhar com aqueles que estão tão desprivilegiados e tão empobrecidos, aqueles que estão lutando com a morte e a doença nas ruas de Calcutá." E eu lhes digo para não irem. Olhem suas próprias cidades. Olhem o sofrimento em seu próprio quintal, pois isto é igualmente necessário e valioso. Vocês não precisam fazer peregrinações, porque normalmente as peregrinações são - entendem? - coisa do ego. E, por mais que eu Ame companhia, sou capaz de detectar de muito longe uma excursão do ego.

Trata-se de formas silenciosas de estender a mão e ajudar os outros - não se trata de fazer por eles, mas sim, de entender e colocar-se neste local - não é viver ali, mas é tão somente manter essa energia de compaixão, para oferecer a mão amiga. Quando é feito silenciosamente, sem fanfarra, sem comprovação, sem cobertura da Mídia, não somente é valioso, mas, de fato, não é muito mais? São muitos os que têm corações maravilhosos, e eu não desejo de modo algum afastá-los das boas obras e das boas ações. Mas essa necessidade humana e esse hábito humano de querer ser reconhecido não são muito positivos. Quando vocês fazem as coisas no silêncio de seu coração e na calma da noite ou do amanhecer, quando vocês deixam uma refeição para um sem-teto adormecido, isto também é muito importante. E é importante que vocês sintam em seu coração não só a compaixão, mas também a incrível bênção não ser vocês aquele que está dormindo na rua. Não são vocês que esperam por um alimento ou por alguma migalha e que tentam manter-se aquecidos.

Há aqueles que me dizem: "Baba, qual é o propósito do sofrimento humano?" E isto é algo para o qual eu tive muitas respostas diferentes nestas muitas décadas em que converso com meus seguidores. E uma coisa que direi é que vocês não podem responsabilizar o karma por tudo, e vocês não podem sempre dizer que o sofrimento humano tem a função de nos ensinar a compaixão. É evolução da raça humana e aprendizado seu do principal do meu ensinamento, que é manifestar e criar, sim, a partir de seu ventre, mas também a partir de seu coração. Porque, se o seu coração não estiver envolvido, não haverá criação. E vou lhes dizer uma coisa, sua mente tem muito pouco a ver com isso. A chave é conseguir tirar sua mente do caminho, não deixá-la de frente. Mas não seria bom, a partir da compaixão, criar um mundo, um planeta sem esse sofrimento humano? Onde há harmonia não significa que não há nem nascimento e nem morte, e, sim, às vezes há tristeza e alegria e há o centro do regozijo.

Muitos de vocês estão envolvidos em suas próprias criações, e isto é bom porque mostra que vocês são diligentes e isto também é ter compaixão e entregar-se a si mesmo. Mas nisto, não se esqueçam de que vocês são um de muitos, que vocês estão próximos e unidos às pessoas do Haiti ou de Calcutá, ou do leste de Los Angeles - isso não importa. Então meu pedido para vocês, meus amigos, é para não ter somente compaixão, mas praticar compaixão. E que o façam em suas criações, em suas orações, em suas intenções e em suas ações. Não em uma delas. Em todas. Vocês não podem dizer "eu tenho compaixão por aqueles que sofrem" e então mudar seu percurso para garantir que vocês não cruzem com eles.

Calcem os sapatos alheios, e às vezes isso pode significar ficar descalços. E então se sentem comigo. E deste lugar de compaixão - não só de gratidão e Amor, mas também de compaixão profunda - criem. Pois, quando vocês criam para seus semelhantes, vocês criam para si mesmos. Este é o modo de proceder. Não é começar com o "si mesmo". É começar com o coletivo, sabendo que nessa unidade, claro, vocês estão cuidando seja da saúde ou da abundância. E, afinal, o que é a abundância? É tão somente uma coleção de moléculas e uma ilusão. Vocês têm abundância - a ilusão está em vocês não saberem disso.

Então não se esqueçam do que Baba lhes pediu hoje.

Criem com compaixão, meus queridos amigos.

Até logo.

Fonte: http://counciloflove.com/

Tradução: SINTESE

http://blogsintese.blogspot.com/

Comentários